Próstata

Área de Atuação

O setor de próstata da Divisão de Clínica Urológica do HC-FMUSP dedica-se ao tratamento das doenças benignas da próstata como a hiperplasia prostática e as prostatites, e ao rastreamento do câncer da próstata.

Hiperplasia Prostática

A hiperplasia prostática é a principal causa de sintomas urinários no homem maduro. Sintomas de intensidade moderada ou grave irão surgir em um quarto dos homens após os 50 anos e em metade dos homens após os 70 anos.

Os sintomas mais comuns são o aumento da freqüência urinária, urgência miccional, jato urinário fraco e sensação de esvaziamento incompleto da bexiga e gotejamento terminal. As principais complicações da doença são o sangramento urinário de repetição, infecções urinárias de repetição, retenção urinária e perda da função renal.

Atualmente, a maioria dos casos sintomáticos pode ser tratada com medicamentos, porém 10 a 15% dos pacientes irão necessitar de cirurgia para o alívio dos sintomas.

Prostatites

As prostatites envolvem um grupo de doenças da próstata que mistura processos infecciosos causados por bactérias, casos em que existe inflamação sem invasão bacteriana, e casos sem infecção ou inflamação em que o paciente refere apenas dor na região pélvica e no períneo.

Cerca de 15% dos homens irão apresentar sintomas de prostatite durante a vida e geralmente homens entre os 30 e 50 anos são mais acometidos.

As prostatites infecciosas de causa bacteriana costumam apresentar febre alta, tremores, prostração e mal-estar geral de início repentino, que simula um quadro gripal. Paralelamente surgem também sintomas urinários como dificuldade, ardor para urinar e aumento da freqüência miccional.

Os quadros de prostatite aguda requerem atendimento de urgência para instituição de antibióticos e freqüentemente até internação hospitalar.

Rastreamento do Câncer da Próstata

O rastreamento do câncer da próstata (CaP) deve ser iniciado aos 45 anos em todos os homens. Quando existe histórico familiar da doença (pai ou irmãos), este controle deve ser iniciado aos 40 anos. As consultas são anuais e constam do exame digital da próstata e da medida do PSA no sangue.

O toque retal é fundamental para a avaliação. Consta de um exame simples, indolor, que dura apenas alguns segundos e pode ser esclarecedor, pois um exame de PSA normal não descarta a presença da doença.

A idade avançada, história familiar da doença e a raça negra constituem os principais fatores de risco do CaP. Quando existe um parente de primeiro grau com CaP, o risco de desenvolver a doença aumenta 2 vezes, e quando dois parentes forem diagnosticados, o risco aumenta 3 vezes.